IICT  

Missão de Cartografia Geológica da Ilha de Santo Antão: Formação Eruptiva Principal (FEP), essencialmente basáltica e do tipo fissural

Author: Luis Celestino de Sousa e Silva; Local: Ilha de Santo Antão, Cabo Verde; Data: 1991-1998

Membro de: Centro de Geologia  

Resultados ( 20 encontrados )

Subscribe to the RSS feed for this result setSubscribe to the RSS feed for this result set

  Abstract Views File Downloads
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). 1º plano, mantos basálticos profusamente recortados por filões, essencialmente basáltico. Em último plano, escarpado, no Curral das Vacas, constituído essencialmente por mantos e material piroclástico basáltico, recortado por filões basálticos.. 70 3
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Pormenor dos mantos basálticos recortados por filões basálticos. (FEP). 55 2
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Círio. Escarpado constituído, essencialmente, por mantos e materiais piroclásticos basálticos.. 44 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Próximo do topo do escarpado. Mantos fonolíticos intercalados em mantos basálticos.. 45 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Lajedo. Escarpado, constituído por mantos fonolíticos intercalados na sequência basáltica (mantos e materiais pirolclásticos).. 45  
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Pormenor da escoada fonolítica posterior à sequência basáltica.. 48 2
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira do Alto Mira. Sequência basáltica (mantos e materiais piroclásticos), recortada por filões basálticos.. 46 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira da Torre. Escarpado da sequência de mantos e materiais piroclásticos da Formação Eruptiva Principal (FEP).. 36  
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Caminho de Espadanã para a Ribeira da Cruz. Cone de escórias basálticas subjacente a mantos basálticos.. 43 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Fontaínhas-Cruzinha. Escarpado litoral da sequência basáltica (mantos e materiais piroclásticos).. 47 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande, a montante da Povoação. Na base, mantos basálticos submarinos (LR) subjacentes a mantos basálticos subaéreos (MB).. 48 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande. Mantos subaéreos que passam gradualmente a mantos submarinos, afetados por falhas.. 54 4
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande. Mantos subaéreos que passam gradualmente a mantos submarinos, afetados por falhas. Pormenor do plano da falha.. 40  
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande. Mantos subaéreos que passam gradualmente a mantos submarinos, afetados por falhas. Pormenor do plano da falha.. 42 2
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande. Área da Formação. Afloramento de lavas submarinas basálticas da Formação Eruptiva Principal (FEP).. 51 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Grande. Pormenor da estrutura de um "tubo" de lava submarina.. 45 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Estrada Pombas-Farol. Lavas submarinas (LR) da "Formação Eruptiva Principal - FEP".. 43 2
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Estrada Pombas-Farol, na área do Giz. Lavas submarinas basálticos da "Formação Eruptiva Principal - FEP".. 48 1
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira da Escabeçada, a jusante do estradão para o Tarrafal. Mantos basálticos, sobre os quais assentam em acentuada discordância, mantos de composição intermédia. Ambas as sequências devem pertencer à Formação Eruptiva Principal (FEP).. 50 2
Luis Celestino de Sousa e Silva. (1991). Ribeira Babosa. Mantos de composição intermédia (têm hauyna) que repousam, em acentuada discordância, sobre mantos basálticos. Ambas as sequências devem pertencer à Formação Eruptiva Principal (FEP).. 51